Saiba como identificar a anorexia e a bulimia nervosas

Compartilhe!

O conceito atual de moda e boa forma influencia um grande número de pessoas a adotarem comportamentos de risco como dietas restritivas e desequilibradas a fim de alcançar esse padrão de beleza. Elas utilizam métodos compensatórios, atividade física excessiva e relação inadequada com alimento e o corpo. As professoras dos cursos de Nutrição e Psicologia da Universidade de Franca (UNIFRAN), se uniram para explicar um pouco mais sobre os transtornos alimentares que afetam diversos indivíduos que estão em busca do corpo perfeito ou de uma aceitação.
Os principais transtornos alimentares que afetam a sociedade são a anorexia nervosa e a bulimia nervosa tendo como característica principal a distorção da imagem corporal, perda excessiva de peso e preocupação constante com o ganho de peso. “

As causas ligadas ao transtorno alimentar envolvem muitos fatores, pode-se pensar sobre fatores biológicos, psicológicos, familiares, sociais e culturais que estejam envolvidas nas causas possíveis para a doença”, explica a coordenadora do curso de Psicologia, da UNIFRAN, Teresa Cristina Martins Leite Imada.
A professora Teresa ainda explica que a anorexia é identificada a partir da restrição à alimentação, de uma perda de peso acentuada, distorção da imagem corporal, excesso de preocupação pelo ganho de peso, excesso na prática de exercício físico. Já a bulimia, a partir da perda de controle sobre a ingestão de alimentos, caracterizando comportamento compulsivo e posteriormente um método compensatório, como vômito, uso excessivo de laxante, exercício físico excessivo, peso normal, porém excesso de preocupação pelo medo de engordar.

Os familiares e amigos devem estar atentos aos comportamentos destes pacientes, pois é de extrema importância que eles recebam orientações de profissionais. As pessoas próximas a esta pessoa adoecida têm papel muito importante na evolução positiva do tratamento.
Independentemente do tipo de transtorno alimentar, o paciente deve ser incentivado a se alimentar de forma saudável, equilibrada e a reintrodução dos alimentos deve ser realizada de forma gradual. “O mais importante é trabalhar a relação do paciente com o alimento, pois é comum apresentar sentimentos de raiva, culpa, mitos, entre outros”, explica a professora do curso de Nutrição da UNIFRAN, Marina Manochio.

Scroll Up
0